Make your own free website on Tripod.com








misses do brasil miss misses do brasil miss misses do brasil

Entrevista: Evandro Hazzy














Home | Ranking Miss Brasil 1954-2008 | História | Miss Brasil 2002 Taiza Thomsen | Miss Brasil 2003 Gislaine Ferreira | Miss Brasil 2004 Fabiane Niclotti | Miss Brasil 2005 Carina Beduschi | Miss Brasil 2006 Rafaela Zanella | Miss Brasil Mundo 2006 | Beleza Brasil 2006 | Melhores de 2006 | Concursos 2006 | Natália Guimarães Miss Brasil 2007 | Enquetes | Missel@ne@ | A bela do dia | O belo do dia | Links | Miss Universo 2007 | Miss Rio de Janeiro 2008 . | Miss Brasil 2008 Natalia Anderle





evandroa.jpg

Evandro Hazzy é conhecido por seu trabalho como preparador de misses do Rio Grande do Sul, tendo obtido diversas resultados positivos na sua trajetória profissional.  Recentemente publicou um Manual da Miss, no qual sistematiza diversas das suas experiências.

Agradecemos a Evandro por partilhar com nossos visitantes algumas das suas reflexões sobre beleza, misses e preparação.

Como você chegou até os concursos de miss e tornou-se um profissional  que atua nessa área?

Acredito que entender sobre beleza e gostar de buscar o que as coisas e pessoas têm de belo é um dom, nasce conosco. Eu, por exemplo, desde meus doze anos, quando fui convidado para participar da produção de um concurso de beleza em um dos maiores balneários da minha terra natal, Santa Maria, Rio Grande do Sul, já senti que esse era meu mundo. A partir daí, fui conhecendo esse ramo, fazendo contatos, adquirindo informação e experiência, até chegar ao Miss. Foram muitos anos de dedicação e empenho. Tudo isso é resultado de um grande esforço e, principalmente, por acreditar que sempre tenho mais a aprender.

 

Beleza não é suficiente para uma miss ser vitoriosa. Na sua opinião, quais são os atributos imprescindíveis para uma candidata ser bem sucedida num concurso de miss?

 

Como citei no Manual da Miss, ser miss não é uma tarefa fácil. Exige disciplina, dedicação, estudo, preparo e muito fôlego para cumprir uma agenda lotada. Além de estar sempre cuidando da aparência, pois sua beleza é seu cartão de visitas, a miss precisa estar pronta para representar o seu país, todos os dias, por onde passar. A inteligência e a fluência nas palavras são as principais armas de uma verdadeira miss, pois as situações em que se põe à prova não permitem que alguém sem conteúdo possa seguir adiante. Sem deixar de citar também a cortesia e gentileza no trato com os outros, aparência bem cuidada e agradável, capacidade de adequar o comportamento à qualquer situação, ausência de preconceitos ou discriminação pela posição social, raça, aparência, sexo ou crença religiosa.

 

Até que ponto esses atributos podem ser desenvolvidos mediante aquilo que muitos chamam de “preparação”? Qual o limite de uma miss sob preparação? Que aspectos são os mais difíceis no processo de preparação?

 

Todos nós podemos melhorar a cada dia, estamos suscetíveis a amadurecer, aprender e crescer. Basta ter força de vontade. Uma miss pode potencializar muitas de suas habilidades, assim como desenvolver sua capacidade de estar sempre pronta para encarar desafios diários. Não adianta querer ensinar etiqueta, postura, maquiagem, passarela, comunicação com o público, para alguém que não está disposta a melhorar. O limite da preparação está no simples fato do querer. Quando a gente quer, a gente pode.

 

E quanto aos “preparadores”?  Como ele se “prepara” para essa função? Que pontos são fundamentais para um bom preparador? Quais os aspectos que o “preparador” deve evitar na sua atuação?

 

 Um “preparador” deve ser uma pessoa capacitada para requerer um resultado, seja ele qual for. Não podemos ensinar o que não sabemos, cobrar o que não podemos oferecer. Em primeiro lugar precisa conhecer os concursos de beleza, entender de maquiagem, penteados, figurino, comportamento, entre outros itens importantes. O grande passo é o estudo, temos que ler muito, nos informar, estar conectados com o que está acontecendo no mundo e nas tendências. O verdadeiro profissional deve ser humilde e saber que tem que estar se reciclando sempre e não ter medo de errar. Não há aspectos definidos que devemos evitar. Temos que ter bom senso em escolher qual a melhor decisão no momento, fazer aquilo que acreditamos ser melhor naquela hora. Como dizem, só erra quem faz.

 

Ao longo da sua experiência, quais os principais pontos positivos e negativos do mundo dos concursos?

Os concursos, da mesma forma que em todas as profissões, apresentam pontos negativos e positivos. Aprendemos e crescemos com ambos. Mas o que não precisava existir é a hostilidade gerada entre alguns profissionais da área. Tínhamos que aprender uns com os outros, dar força, ajudar. A mentalidade ainda é outra e, às vezes, a inveja atrapalha um pouco. Mas, pelo que sei, a inveja só dói em quem sente.

 

Analisando a sua trajetória no mundo dos concursos, há aspectos que você desenvolveria hoje de forma diferente? Sim? Não? Por que?

Não me arrependo de nada do que fiz. Cada passo que dei na minha trajetória foi essencial para construir o profissional que sou hoje. Como dizia um autor que não me recordo agora: meu único medo, meu maior medo de toda a viagem foi, sem dúvida, nunca partir.

 

Muitos admiram seu trabalho, mas alguns criticam os seus métodos, afirmando que você tende a comprometer a naturalidade das candidatas que recebem seu treinamento. Qual a sua opinião a respeito?

Cada “preparador” tem seu método de trabalho. Faço aquilo que acredito ser o melhor para cada candidata que acompanho. Observo uma mulher e posso dizer até onde ela pode ir, o quanto pode melhorar visualmente e no comportamento também. É como numa final de Copa do Mundo onde os técnicos fazem o que é possível para vencer. Temos que planejar estratégias e táticas, mostrar as potencialidades da candidata, e principalmente, deixa-la com perfil de uma verdadeira miss, afinal de contas, é a representante máxima das mulheres de uma região ou país. Recorro a médicos, fonoaudiólogos, esteticistas, figurinistas, fotógrafos, entre alguns outros segredinhos. Não acredito que isso comprometa a naturalidade delas, porque depois de toda essa experiência e aprendizado, são livres para agirem como se sentem melhor, mas no final preferem ser aquela mulher que descobriram ter dentro de si.

 

Mencione três misses da sua preferência e as razões da sua escolha.

 

Todas as mulheres que se tornaram misses de alguma forma são especiais, tem seu brilho, suas lembranças e sua história. Foram vários estilos que marcaram época e emocionam até hoje as pessoas no Brasil inteiro. Citar três certamente deixaria de fora excelentes representantes do nosso país e Estados, por isso, aqui vai uma homenagem a todas elas. 

 

O Rio Grande do Sul tem um histórico de misses muito bonitas e vitoriosas. Quais as razões para tal?

 

Acredito que cada Estado tem suas características e todos têm mulheres bonitas. O Rio Grande do Sul realmente é um celeiro de mulheres belíssimas, talvez muito disso seja resultado dessa mistura de etnias maravilhosa que temos aqui: italianos, alemães, poloneses, portugueses, espanhóis, japoneses, entre outros. Todas elas têm em si um pouquinho de todas as regiões do mundo, transformando-se em belas e charmosas mulheres, com porte, classe, altura, corpo e rosto perfeitos.

 

Você teria alguma sugestão para o aperfeiçoamento do Miss Brasil? Sim? Não? Por que? Se tem, qual é essa sugestão?

 

Sou fã número 1 do concurso Miss Brasil, acompanho há anos e sempre estou envolvido com ele. Esse é o meu vício. Como sugestão, acredito que possam melhorar os figurinos das candidatas na final, assim como permitir que cada uma delas possa produzir o cabelo e a maquiagem da forma que preferem, sem padronização. Cada mulher é bonita a seu modo, tem seus segredos estéticos, e isso é prejudicado quando todas ficam iguais. Precisamos modernizar o concurso, deixa-lo com mais atitude, compatível com a época em que vivemos.

 

Em relação ao Miss Rio Grande do Sul 2007, está prevista alguma mudança em relação à última edição?

 

A última edição do Miss Rio Grande do Sul foi um sucesso, tivemos grande repercussão e audiência aqui no Estado. Fizemos um trabalho minucioso, nos preocupamos com os mínimos detalhes, cumprindo uma atividade intensa com as candidatas. O Grupo Bandeirantes de Comunicação fez uma cobertura massiva do evento nas rádios e TV, auxiliando em todo o processo de produção também, formamos uma equipe de excelentes profissionais. Nesse ano conseguimos realizar até a Prova de Talentos, onde as candidatas tiveram um minuto para mostrar aquilo que melhor sabiam fazer. Para o ano que vem, temos mais algumas surpresas, prefiro deixar todos na curiosidade.

 

Você publicou recentemente um “Manual da Miss”. Por favor, comente um pouco sobre seus objetivos com essa publicação e a forma de adquiri-lo por parte dos interessados.

 

O objetivo do “Manual da Miss” era criar um encarte onde as candidatas do concurso tivessem acesso a dicas e informações que as preparasse melhor para o dia-a-dia. A proposta deu tão certo que pessoas de diversos meios e profissões começaram a procurar para adquiri-lo.

Cabelereiros, fotógrafos, maquiadores, modelos, preparadores, figurinistas estão utilizando o manual. Como ele não foi publicado por uma editora e sim impresso apenas para o concurso, por enquanto para obtê-lo as pessoas deverão entrar em contato comigo ou com minha equipe, mas o número de exemplares é limitado. Quem sabe uma editora não se interessa e o publica, assim como já foi feito com meu primeiro livro.

 

Comentário Final

 

Quero registrar que ninguém faz sucesso sozinho, todos nós, seres humanos, precisamos uns dos outros para realizar e criar. Tem pessoas que me ajudaram muito em meus projetos e também no concurso Miss Rio Grande do Sul, os produtores Fernanda Hazzy e Carlos Totti, que me acompanham sempre.

 

E-mail de Evandro Hazzy para contatos: ehazzy@yahoo.com.br

 

 

Entrevista com Gerson Antonelli